UFRN terá aulas afetadas por contingenciamento feito por Bolsonaro

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) terá atividades de pesquisa e de extensão afetadas em razão do contingenciamento orçamentário feito pelo Ministério da Educação (MEC) no governo Jair Bolsonaro (PSL). A informação foi repassada pela universidade ao portal G1 e consta em reportagem publicada neste sábado (17) mostrando que, além da UFRN, outras 20 universidades federais terão atividades de pesquisa e ações de extensão prejudicadas.

Alvo de dois contingenciamentos do Ministério da Educação neste ano – assim como as demais universidades – a UFRN tem a pesquisa como uma das atividades que correm risco de ser interrompidas esse ano. A maioria das universidades cita a falta de insumos para laboratórios.

A UFRN também informou à reportagem que terá atividades de extensão prejudicadas, mas não especificou quais.

Os bloqueios orçamentários foram determinados pelo governo federal como forma de enfrentar a crise econômica. Foram R$ 5,8 bilhões bloqueados em março. Já em abril o MEC anunciou outro bloqueio de 30% da verba das universidades. Em julho, foi o MEC quem sofreu revés, quando, por meio de decreto, o presidente Jair Bolsonaro bloqueou R$ 348,47 milhões da pasta.

A UFRN está entre as 10 universidades federais com maior orçamento, com pouco mais de R$ 1,6 bilhão previstos para 2019. Desse valor, 84% é para pagamento de pessoal, 14% para despesas correntes (água, luz, telefone) e 2% para investimentos.

Reitores se reuniram esta semana com o ministro da Educação, Abraham Weintraub, pedindo a liberação dos recursos. Segundo eles, o ministro sinalizou com a possibilidade de começar a liberar os recursos a partir de setembro, mas não estipulou uma data.

Grande Ponto