TSE acusa partido de Bolsonaro de fabricar relatório ‘mentiroso’ para ‘tumultuar’ eleição

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou que integrantes do Partido Liberal (PL) sejam investigados por produzirem um relatório com informações “falsas e mentirosas” sobre a segurança do processo eleitoral. O partido do presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição, divulgou nesta quarta-feira, 28, documento em que, mesmo sem provas, levanta suspeitas sobre risco de fraude na apuração dos votos desta eleição.

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes, determinou que o documento seja remetido ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ser incluído no inquérito das fake news, do qual é relator. O ministro cita a possível responsabilização criminal dos idealizadores. O texto divulgado pelo PL conta com o carimbo do partido, mas não possui a assinatura de nenhum de seus quadros.

“As conclusões do documento intitulado ‘resultados da auditoria de conformidade do PL no TSE’ são falsas e mentirosas, sem nenhum amparo na realidade, reunindo informações fraudulentas e atentatórias ao Estado Democrático de Direito e ao Poder Judiciário, em especial à Justiça Eleitoral, em clara tentativa de embaraçar e tumultuar o curso natural do processo eleitoral”, diz nota do TSE.

Moraes ainda determinou o envio do material à Corregedoria-Geral da Justiça Eleitoral. Ele pede que seja apurado eventual desvio de finalidade na utilização dos recurso do Fundo Partidário pela legenda que abriga o clã Bolsonaro.

Em nota, o TSE afirma que diversos elementos fraudulentos do documento são objetos de investigação no inquérito das fake news e menciona que a Corte Eleitoral já adotou “rigorosas providências” que culminaram, até mesmo, na cassação de diploma parlamentar.

Estadão