Fátima Bezerra participa de painel da COP27 sobre produção de energias limpas

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), participou nesta quarta-feira (16) de painel da 27ª conferência do clima da Organização das Nações Unidas (ONU), a COP 27, no Egito. Ela abordou as ações potiguares para fortalecer a produção de energias limpas.

A governadora potiguar é uma das painelistas da discussão “Mudando os caminhos do desenvolvimento”, a convite do Instituto Alziras, que acontece no espaço do Brazil Climate Action Hub na COP27, na cidade egípcia de Sharm El-Sheikh.

Durante o evento, os painelistas compartilharam experiências para avançar na agenda de transição justa à luz de políticas como ETM (Energy Transition Mechanism) na Indonésia, do JET-P (Just Energy Transition Partnership) na África do Sul e da iniciativa Clima & Desenvolvimento no Brasil.

Durante a apresentação, Fátima Bezerra afirmou que o Nordeste representa atualmente cerca de 70% da produção de energia renovável no Brasil. Ela destacou que dos 805 parques instalados no país, cerca de 700 estão no Nordeste.

“ORio Grande do Norte se destaca como líder da produção de energia eólica no Brasil, quando dos parques instalados no Nordeste, 220 estão no Rio Grande do Norte. Ao longo dos últimos 10 anos o Rio Grande do Norte tem se mantido firme na liderança da produção de energia eólica e nos preparando agora para um novo desafio dentro desse contexto da agenda imperiosa, imprescindível, da transição energética. Estamos nos preparando para diversificar essa matriz energética, com a energia offshore, no mar”, disse Fátima.

O Rio Grande do Norte é o maior gerador de energia eólica do Brasil e da América Latina com 224 usinas em operação, correspondendo a 6.8 GW de potência instalada que, somadas a outras usinas em construção e aos empreendimentos já contratados, possibilitará ao Estado atingir a marca de mais de 12 GW de potência instalada até o final de 2025, o equivalente a capacidade instalada da Usina de Itaipu, maior hidrelétrica em operação no Brasil, responsável por 10% da energia consumida no País.

Com o objeto de diversificar suas fontes e contribuir ainda mais para a ‘descarbonização’ da matriz energética, o Governo do Rio Grande do Norte está incentivando o desenvolvimento de novas fontes de geração e o armazenamento de energia, com especial atenção para o hidrogênio verde e a energia eólica offshore. Atualmente, oito projetos de parques eólicos no mar estão em processo de licenciamento tramitando no Ibama.