Com piora em 59 municípios em uma semana, RN tem ‘estado de alerta’ para covid-19

Além de apresentar os resultados do Inquérito Sorológico, o Comitê Científico do Rio Grande do Norte falou sobre o “Indicador Composto”. A análise, elaborada sob coordenação do professor Kênio Lima (UFRN), junto com os pesquisadores do Comitê de Especialistas e a equipe da Sesap-RN, com apoio do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da UFRN, permite o mapeamento da evolução semanal de casos por município e assim ter um monitoramento da pandemia em todo o estado.

Os dados apontam que no mês de maio de 2020, o número de óbitos diários triplica. O pico ocorre em 21 de junho, com 33 óbitos. A partir daí há uma queda, sustentável, com -2,2% ao dia até fim de outubro. Em novembro já se observa um aumento de 0,7%, e em dezembro um crescimento maior ainda, de 3,0%.

Até o final de fevereiro de 2021, a tendência é novamente de aumento e hoje temos os seguintes dados: no dia de hoje (12), temos 179.824 casos confirmados e 53.902 casos suspeitos. Em relação aos óbitos, os dados apontam 3.857 óbitos confirmados por covid-19, sendo 05 nas últimas 24 horas. Ainda há 845 óbitos em investigação.

O indicador reúne nove variáveis que traçam um olhar mais apurado sobre a situação de cada município e um escore que mostra a evolução a cada semana. Isso permite a tomada de decisões do comitê para o enfrentamento da pandemia.

O último indicador, apresentado na coletiva, aponta para o estado de alerta que o Rio Grande do Norte vive hoje. “Um importante instrumento com contribuição decisiva da ciência, como vem sendo desde o início, sob a coordenação da professora Fátima Bezerra, para ter o melhor resultado em salvar vidas, que é o objetivo do SUS e da ação governamental”, ressaltou o secretário de saúde Cipriano Maia.

Estado em alerta

O indicador vai de 1 a 5, na qual 1 é a melhor situação e 5 a pior. Foram usadas cores alusivas aos semáforos de trânsito, sendo o 1 e 2 em dois tons de verde, o 3 e 4 em dois tons de amarelo e o 5 em vermelho. “Como ele é calculado a cada semana, temos condições de monitorar a evolução de cada município”, explica o professor Ângelo Roncalli.  Os dados hoje mostram que dos 167 municípios do estado, 59 tiveram uma piora no indicador, 81 estão em estabilidade e 27 tiveram melhora.

O Indicador Composto é analisado e disponibilizado semanalmente e o último, publicado esta semana, traz um panorama crítico do momento atual.

Estiveram presentes na coletiva os membros do Comitê Científico da Sesap: Cipriano Maia, secretário de saúde Sesap; Ângelo Roncalli, professor do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva / UFRN; Juciano Lacerda, Pesquisador em Comunicação e Saúde e docente do doutorado em Estudos da Mídia da UFRN; Hugo César Novais Mota, responsável técnico pelo Núcleo Estadual da Estratégia da Saúde da Família da SESAP; e Ricardo Valentim, do Departamento de Engenharia Biomédica / Coordenador do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS)/UFRN.